Curiosidades

A história da pipoca no cinema

Escrito por Cristian Rangel

Hoje em dia é normal você ir ao cinema e assistir ao filme na companhia de um bom balde de pipoca. Mas, você sabia que a pipoca no cinema nem sempre foi uma relação de amor?

Isso mesmo, a pipoca não estava presente na primeira sessão de cinema, exibida pelos irmãos franceses Louis e Auguste Lumière em Paris, na França no dia 22 de dezembro de 1895.

No início do cinema

Tudo começa no início do século 19, quando baleeiros dos EUA descobriram um tipo de milho na América do Sul que estourava quando exposto ao calor, resultando em algo que passou a ser conhecido como “popcorn”.

Ao contrário do que poderíamos pensar, a pipoca demorou bastante para ter o seu lugar dentro das salas de cinema. Como já sabemos sobre a história da pipoca, no final do século 19 e início do século 20 a pipoca já era muito popular, após a criação das primeiras pipoqueiras, era vendida em feiras, parques e circos.

Pipoca no cinema

Um vendedor ambulante vende pipoca para crianças em 1912 Illinois. (Estoque do vintage de Kirn do © / Corbis)

Porém, nas primeiras salas de cinemas dos Estados Unidos a pipoca era proibida, pois os donos dos cinemas acreditavam que, além de sujarem as salas, era uma distração para os filmes.

Eles temiam que teriam muito trabalho para limpar os carpetes e as poltronas (e sem ventilação nas salas, o cheiro era forte demais).

Na época, a ideia era tornar o cinema um lugar de elite, um espaço luxuoso moldado nos teatros. Onde ninguém come pipoca.

Por que os cinemas acabavam atraindo só as elites? Porque os filmes eram mudos, com intertítulos, e uma grande parcela da população que vivia no analfabetismo não podia aproveitá-los. Mas aí chegou o SOM! E esta população antes excluída passou a também ir ao cinema.

Mesmo com essa resistência inicial, os ambulantes levavam seus carrinhos para a porta das cinemas e vendiam o “Cracker Jack”, que é uma mistura de pipoca, açúcar queimado e amendoim.

Cracker Jack: Vendida pelos ambulantes na porta dos cinemas.

Cracker Jack: Vendida pelos ambulantes na porta dos cinemas.

Nos anos 20 os cinemas eram glamurosos, o caminho até as salas era de muito luxo, com arcos e escadaria iluminada por um candelabro de cristal e os assentos eram de veludo. Em “Popped Culture: A Social History of Popcorn in America” (Cultura Popped: Uma história social da pipoca), Andrew F. Smith revela que comer não fazia parte da experiência do cinema.

Compre Pipoca Online agora mesmoPowered by Rock Convert

 

Os primeiros vendedores pipoca no cinema

Uma das primeiras pessoas a quebrar esse paradigma foi Julia Braden, que na década de 20, convenceu o Teatro Linwood, em Kansas City, Missouri, a montar um estande no lobby do espaço e a deixou vender pipoca no saguão.

A idéia logo se espalhou para outros cinemas e Julia ficou rica  e deu início ao seu “império” construído com a Pipoca. Em pouco tempo ela já estava estabelecida em quatro cinema e lucrava $ 14.400 por ano (hoje equivalente a $ 336.000).

Inspirados pelo sucesso, vários exibidores convidaram os ambulantes para dentro dos saguões, dividindo os lucros com estes!

Para os ambulantes era vantajoso, já que antes não podiam ficar exatamente na entrada do cinema, mas um pouco afastados. Agora estavam no meio do público e o cheiro de pipoca se espalhava mais e era mais forte, atraindo mais compradores.

Não demorou muito até que os exibidores percebessem que não precisavam dos ambulantes – e logo começaram a vender pipocas feitas por eles mesmos. A bomboniere passou a dar tanto lucro que os caras DIMINUÍRAM o preço dos ingressos pra atrair mais gente pra comprar pipoca.

Pipoca no cinema: Um grande negócio

A pipoca nos cinemas foi uma estratégia de negócios pioneira, que dura até os dias de hoje, 85% do lucro dos cinemas advém da venda de concessões para venda de pipoca e guloseimas. Percebendo que a ideia era lucrativa, os donos dos cinemas foram aderindo a ideal, e mesmo durante a grande depressão, final da década de 20 e início dos anos 30, a pipoca foi um grande impulso para a sobrevivência das salas de cinema, que puderam diminuir o valor dos bilhetes para atrair mais público.

Foi o caso de RJ McKenna, diretor de vários cinemas, que se inspirou no sucesso de um homem que vendia pipoca em frente a um de seus cinemas, assim ele instalou uma máquina de pipoca no saguão do cinema e ganhou até $200.000 em 38. Nos anos 40, a pipoca já tinha seu lugar cativo na maioria das salas de cinema, e o cheiro de manteiga e sal pairava nos cinemas.

A Pipoca na primeira fila!

Hoje quando pensamos em cinema é inevitável associar com pipoca. Pudemos ver que essa história foi um verdadeiro romance, no início havia algo que impedia que eles ficassem juntos, no caminho eles até se aproximaram, porém vários percalços impediam a relação, mas no final eles ficaram felizes e fizeram sua própria história, um do lado do outro.

E aí, gostou da história da pipoca no cinema? Diz aí pra gente qual foi o melhor filme que você assistiu no cinema na companhia de uma boa pipoca.

Siga o Clube da Pipoca no InstagramPowered by Rock Convert

1 Comentário

  • Se inspirou no sucesso de um homem que vendia pipoca em frente a um de seus cinemas e depois ferrou com ele !!!!!!!!!!!!!!

Comentar