Notícias

Pipoca é Lowcarb? Como incluir este alimento em sua dieta sem carboidratos

Se tem uma dieta que está na moda e cada vez ganha mais adeptos é a dieta lowcarb. Por isso mesmo sempre recebemos aqui no blog, pessoas perguntando se a pipoca é saudável ou se existe restrição para consumo de pipoca na dieta lowcarb.

Por isso mesmo resolvemos fazer este artigo, para responder de uma vez por todas, qualquer dúvida que você possa ter sobre este assunto. Mas afinal, pipoca é ou não é um alimento lowcarb? Este post que vai responder suas dúvidas sobre este assunto!

Muitas pessoas ainda têm duvidas se a pipoca é saudável ou não. Isso porque ela é muito relacionada a momentos de descontração nos quais normalmente nós enfiamos o pé na jaca, né! Mas felizmente a pipoca é saudável, desde que apreciada em seu estado natural, sem coberturas doces ou algo do tipo!

Sendo bem direto, a pipoca não pode ser incluída na categoria de um alimento de baixa quantidade de carboidratos. Mas a boa notícia é que estes carboidratos são do tipo complexo. Isso quer dizer que apresentam uma absorção lenta pelo organismo. Por isso mesmo a pipoca sem  é um alimento considerável seguro para pessoas que tem diabetes. A pipoca comum é um alimento que traz benefícios ao organismo.

Compre Pipoca Online agora mesmoPowered by Rock Convert

Mas a pipoca não é só carboidratos

Mas peraí! Pipoca não é só um monte de carboidratos e pronto! Tem muita coisa boa dentro daquele pedacinho de milho que estoura deliciosamente. Aquela casquinha mesmo, que gruda no seu dente, é rica em fibras e ajuda muito no funcionamento do intestino. Ainda mais quando acompanhada da sua bebida preferida (de baixa caloria é claro). de algum líquido. A quantidade de antioxidantes e fibras na pipoca é tão grande que pode ser maior do que o da alface.

O que é um dieta lowcarb?

Mas para que você saia daqui entendendo tudo sobre o assunto, vamos explicar o que realmente é esta dieta. Uma dieta lowcarb é uma dieta que onde se deve consumir alimentos com pouco carboidratos. Um nutriente encontrado principalmente em alimentos açucarados, massas e pão. No lugar deles, você deve comer alimentos com mais proteínas, gorduras naturais e vegetais.

Estudos mostram que dietas com poucos carboidratos resultam em perda de peso e melhores indicadores de saúde, e quase todo mundo conhece alguém que tenha tentado com sucesso. Nesta dieta, não há necessidade de contar calorias nem usar produtos especiais. Então, por que ainda é uma dieta tão polêmica?

Quais alimentos são lowcarb?

Antes de tudo, vamos mostrar aqui quais são os principais alimentos que podem ser incluídos nesta dieta. Se você é do tipo que gosta de imagens, a ilustração abaixo vai te ajudar a entender quais são os melhores e piores alimentos lowcarb.

tabela com escala de alimentos com mais carboidratos

A esquerda, alimentos com menos carboidratos e a direita, com mais.

Vamos conferir os alimentos essenciais para uma dieta saudável?

Abóbora

A abóbora é uma das melhores fontes de carotenoides, que são antioxidantes poderosos e diminuem o risco de um câncer. Rica em betacaroteno, a abóbora ainda é uma das maiores fontes de alfacaroteno, da família dos carotenoides, que atua na prevenção da formação de catarata e eleva a nossa imunidade, diminuindo consequentemente o risco de contrairmos várias doenças. E a abóbora é um alimento versátil, que permite diversos tipos de refeições, como saladas, doces e pratos quentes.

Brócolis

O alimento é riquíssimo em sulforafano, antioxidante que auxilia na prevenção e no combate a diversos cânceres, principalmente o de estômago e de pulmão. Além de todos esses benefícios a nossa saúde, o brócolis também têm propriedades anti-inflamatórias.

Espinafre

O espinafre melhora a nossa visão e tem uma substância denominada luteína, que auxilia na proteção contra as doenças do coração e alguns cânceres. Outros alimentos, como a beterraba, couve e a acelga também são ricos em luteína.

Mirtilo

Mesmo sendo uma fruta mais facilmente encontrada na região norte da América, o mirtilo pode ser achado em cultivos da região sul de nosso país. A fruta é pequena, tem um tom de azul e é do tamanho de uma jabuticaba. Além de ser um alimento delicioso, os compostos do mirtilo auxiliam na proteção do coração e inibem o crescimento das células do câncer. Diversas pesquisas indicam que a fruta atua na proteção contra doenças neurodegenerativas, como por exemplo, o Parkinson e o Alzheimer, e ainda retarda a perda de memória por causa da idade.

Peixe

A truta, o salmão, a sardinha e o atum são alimentos ricos em ômega 3 e em ácidos graxos, que reduzem o risco de ataques do coração, além de derrames. O peixe é um alimento tão poderoso que ainda diminui pela metade a o risco de morte por enfermidade arterial coroniana. O ômega 3 também possui o poder de aumentar a imunidade e é um anti-inflamatório, alivia os sintomas da artrite reumatoide, e reduz o risco de câncer de próstata.

Tomate

Os tomates são alimentos riquíssimos em licopeno, antioxidante que diminui o risco de câncer da próstata, pulmão, mama, entre vários outros, além de possuir efeito protetor ao coração. Diversos estudos apontam que a absorção do licopeno é mais efetiva quando o tomate é cozido com o azeite.

Alimentos fundamentais para quem malha

Todos nós precisamos de uma alimentação mais saudável, com nutrientes adequados e que seja compatível com a nossa rotina. Assim, quem pratica musculação também precisa de uma adequação desses alimentos, tanto na quantidade como na qualidade. Portanto, investir em uma dieta para musculação traz inúmeros benefícios.

Mas antes de pensar em como montar as refeições, é preciso pensar em diversos fatores: ganho muscular, energia necessária para os exercícios, gorduras para a fabricação de substâncias como a testosterona, entre outros.

Na dieta para musculação devem estar presentes vários alimentos que ofereçam diversos nutrientes. Confira agora quais são os 13 que não podem faltar!

Dieta para musculação: o que não pode faltar

Por falar em musculação, quem procura tem um bom desempenho na academia precisa ficar atento a um grupo de alimentos que ajudam no ganho de músculos. Vamos listar alguns aqui que podem ser úteis para quem procura a hipertrofia.

1. Ovo

Um alimento barato e que já faz parte das refeições do brasileiro naturalmente. O ovo é cheio de nutrientes e não estamos só falando da clara não. Comer a gema também é muito importante apesar de alguns mitos que ainda existem por aí.

A clara é rica numa proteína chamada albumina que ajuda a evitar o catabolismo, ou seja, a perda de tecido (nesse caso o muscular) na falta de outras proteínas. Por isso, muita gente consome ovo ou suplemento de albumina antes de ir dormir ou logo ao acordar.

Também existem aminoácidos na gema que ajudam na reconstrução muscular e na reparação dos tecidos biológicos. Esse alimento ainda é fonte de vitamina D que, além de ajudar na saúde dos ossos, também auxilia a síntese de proteínas.

2. Carne vermelha

Há pouco tempo, essa carne era considerada a grande vilã e uma das causadoras dos elevados níveis de colesterol no sangue. Hoje nós sabemos que, consumida na quantidade adequada, ela consegue trazer diversos benefícios.

O primeiro ponto positivo é a presença de grandes quantidades de vitamina B12, essencial para manter as células nervosas musculares funcionando a todo vapor.

Outra vantagem é o fato de conseguir oferecer todos os aminoácidos essenciais – aqueles que não fabricamos – além de sais minerais como o ferro (em grande quantidade) e o zinco.

Para minimizar o consumo de gordura, vale a pena escolher carnes mais magras como o patinho, que apresenta um bom custo-benefício, lagarto ou filé mignon. O ideal é consumir carne vermelha de duas a três vezes por semana.

3. Salmão

Outro alimento excelente para quem pratica musculação. Além de conter boas gorduras como o ômega 3 e ser rico em diversas proteínas, possui uma dose especial de creatina, cerca de 4,5 gramas por quilo. O melhor de tudo isso é que ele pode ser ingerido cru, conservando da melhor forma todos os seus nutrientes.

4. Frango

Dentre as carnes brancas, o frango é a mais consumida entre as pessoas que praticam musculação. Tanto é que a combinação de frango com batata-doce se tornou bastante famosa por conter grande parte dos nutrientes necessários para quem pratica esse tipo de atividade física.

O frango, além de ser uma carne com um excelente custo-benefício, apresenta 400 mg de creatina para cada 100 gramas de proteína. Essa é uma quantidade bastante considerável que proporcionará uma melhor performance nos treinos.

Além disso, o frango é rico em niacina, uma vitamina que ajuda no funcionamento do cérebro.

5. Atum

Esse é um alimento que cabe no bolso e que apresenta uma boa quantidade de creatina, cerca de 4 gramas por quilo.

Além disso, possui outros nutrientes como os sais minerais – selênio, potássio, fósforo, magnésio – gorduras como o ômega 3 e vitaminas B3, B6, B12, D e E.

A melhor forma de consumir essa carne é comprando o peixe fresco no mercado. Porém, muitos não têm tempo de prepará-lo, então a solução é comprar a versão enlatada. A melhor opção é o atum em água natural e sólido.

Fontes de carboidrato

Atletas de verdade precisam repor suas energias e alguns alimentos que ficam fora de uma dieta low car, podem ser grandes aliados para recuperar aquela energia perdida!

1. Batata-doce

E falando nela, a batata-doce é presença ativa na dieta para musculação. Mas por que se fala tanto nesse tubérculo? Ela é rica em fibras, o que ajuda a controlar os picos de insulina, fornecendo energia para os treinos por mais tempo. É o chamado carboidrato complexo, que é o mais ideal para o consumo.

Também é rica em potássio, uma substância que está diretamente relacionada com o tônus muscular, com o equilíbrio dos eletrólitos (bomba de sódio e potássio) e com o funcionamento do sistema nervoso. Pessoas que praticam treinos musculares costumam necessitar de mais potássio do que aqueles que não praticam.

Essa raiz também auxilia na perda de peso. Como possui uma boa quantidade de fibras, consegue nos deixar mais saciados por um período maior de tempo.

Outro fator é o baixo índice glicêmico, evitando assim que os carboidratos presentes no sangue se transformem e fiquem armazenados na forma de gordura.

2. Arroz integral

O arroz é uma boa fonte alimentar de energia. Ideal para aqueles que praticam exercícios físicos. Porém, o arroz branco não é o ideal já que possui baixo valor nutritivo, perdendo substâncias importantes ao ser polido.

Muita gente torce o nariz para o arroz integral, mas para aqueles que praticam musculação, esse alimento precisa fazer parte da dieta. Ele possui muito mais sais minerais (fósforo, cálcio e ferro), vitaminas do complexo B e, principalmente, fibras. Apesar de ter o mesmo valor calórico, oferece maior saciedade, e, consequentemente, comemos menos.

Mas tenha cuidado. Não é pelo fato dele ser saudável que pode ser usado à vontade. Afinal de contas, o valor calórico é quase o mesmo. Em 50 gramas de arroz branco há 128 kcal, enquanto que no integral, encontramos 124 kcal.

3. Legumes e frutas em geral

Esses dois tipos de alimentos são fontes de carboidratos complexos, ou seja, são ricos em fibras e apresentam, em sua maioria, baixo índice glicêmico.

Além disso, eles fornecem uma série de nutrientes importantes não só para o crescimento muscular como também para a nossa saúde como um todo já que possuem muitas vitaminas e sais minerais.

Porém tenha cuidado com o consumo. Isso porque se você comê-los de forma exagerada poderá ocorrer o ganho de peso. O recomendado é que seja ingerido 2 gramas de carboidratos para cada quilo.

Se você estiver num treino mais intenso, é possível dobrar esse valor consumindo 4 gramas por quilo. Assim, uma pessoa de 80 kg, por exemplo, deve ingerir 240 gramas de carboidratos complexos por dia.

Fontes de vitaminas

1. Brócolis

O brócolis elimina aquelas dores musculares após exercícios físicos intensos na academia. Uma pesquisa conseguiu constatar que consumir brócolis em, pelo menos, uma das refeições ajuda na prevenção dessas dores.

Isso ocorre pelo fato do brócolis ser um alimento rico em substâncias antioxidantes. Quando praticamos musculação, uma grande quantidade de toxinas, como os radicais livres, são liberadas e provocam a dor muscular. E esse vegetal diminui a quantidade desses radicais no organismo.

2. Espinafre

Já vimos o Popeye diversas vezes comendo espinafre e ficando bem forte e quem pensou que isso era só coisa de desenho animado se enganou.

Essa hortaliça possui uma substância chamada de octacosanol que age no nosso corpo aumentando a capacidade dos músculos em absorver oxigênio.

Ele também potencializa o processo de quebra de energia pelos açúcares, gorduras e proteínas. Assim, o espinafre atua de forma indireta na força muscular, proporcionando maior quantidade de energia e melhorando a performance.

3. Abacaxi

Se você pensava que apenas a banana era a única fruta aliada dos treinos, se enganou. O abacaxi pode te ajudar e muito se consumido pouco antes dos treinos.

Além de ser fonte de potássio e outros sais minerais envolvidos diretamente na contração muscular como cálcio e magnésio, o abacaxi contém as vitaminas A, B1 e C que desaceleram a oxidação muscular.

Outro benefício que esse fruto pode oferecer, ao ser consumido no momento certo, é o fato de liberar energia de forma gradual. Por causa do seu alto teor de fibras, a degradação dos carboidratos ocorre aos poucos. Assim haverá mais energia por mais tempo.

Fontes de gordura

1. Azeite de oliva

O azeite faz parte do grupo das gorduras do bem. Rico em polifenóis e gorduras monoinsaturadas, esse óleo consegue retardar a oxidação celular causada pela presença dos radicais livres. Assim, também retarda o envelhecimento das células musculares.

Além disso, ter gorduras boas na alimentação é muito importante para a construção de certos hormônios como a testosterona, por exemplo, que ajuda consideravelmente na criação de novas fibras musculares.

2. Oleaginosas

Amêndoas, nozes e as castanhas, por exemplo, fazem parte deste grupo. Estes alimentos são ricos em gordura boa, ou seja, aquela que faz muito bem para o nosso coração e sistema circulatório como um todo.

Além disso, as gorduras são essenciais para a síntese celular já que elas possuem papel estrutural ao formar a membrana celular. Assim, sem a quantidade de gordura necessária, as células musculares não se formam.

Outro ponto importante é quanto à formação de hormônios. A gordura é essencial para a síntese da testosterona, principal hormônio sexual masculino. É um hormônio anabólico, ou seja, ajuda na formação das estruturas do corpo e também da construção da musculatura.

Não se esqueça de que nenhum nutriente deve ser deixado de lado. Portanto, é preciso ter muito cuidado com o que você consome e, principalmente, com as quantidades.

É comum ver pessoas que praticam musculação caírem no erro de ingerir muito mais proteínas do que qualquer outra substância. Lembre-se de que sua alimentação dependerá do seu objetivo para um determinado momento.

Agora que você já sabe como montar a sua dieta para musculação, descubra para que serve a creatina e como ela pode te ajudar durante os treinos.

Existem alimentos que queimam calorias?

Queimar calorias é essencial para quem busca a perda de peso, no entanto, muitas vezes esse é um processo lento, mas quando  se queima mais calorias do que o habitual, isso pode representar quilinhos a menos na balança.

Você acha que apenas a prática de exercícios físicos é capaz de promover a queima de calorias? Será que o consumo de determinados alimentos também pode acelerar o metabolismo e ligar o botão do organismo para a queima calórica? Continue lendo o nosso artigo e descubra se realmente existem alimentos que queimam calorias!

Os alimentos podem queimar calorias?

Como você bem sabe, a maioria dos alimentos possui teor calórico e isso significa que ao comer, inevitavelmente você absorve calorias, ao invés de queimá-las, certo? Errado! Existem alimentos chamados de termogênicos que  possuem calorias negativas, ou seja, são capazes de acelerar a atividade metabólica e promover a queima calórica sim.  Alguns termogênicos agem diretamente sobre o sistema nervoso central, aumentando a disposição e diminuindo a fadiga muscular, o que propicia uma melhor performance nos treinos. Outros tantos atuam exclusivamente nas células de gordura, potencializando a queima de calorias. Veja os principais alimentos termogênicos que podem turbinar a sua dieta e te fazer perder peso muito mais rápido.

Pimenta vermelha

A pimenta vermelha é um dos alimentos que queimam calorias. Isso acontece porque ela é um alimento riquíssimo em capsaicina, uma substância que facilita a quebra de gordura no tecido adiposo, além de aumentar o ritmo do metabolismo em 15%. Vale destacar que o consumo de pimenta não deve ser exagerado e a pimenta deve ser usada para condimentar saladas e pratos quentes.

Guaraná em pó

O guaraná em pó contém cafeína, uma substância que estimula o funcionamento do sistema nervoso central, aumenta o estado de alerta e acelera o metabolismo. Ele pode ser consumido em forma de shakes, sucos e cápsulas, sempre até às 17h para não comprometer a qualidade do sono.

Gengibre

Está comprovado cientificamente que a ingestão de gengibre pode acelerar o metabolismo em até 10%. Ele pode ser utilizado no preparo de chás, comido cru, em sucos, marinadas e crostas para aves, peixes e carnes vermelhas.

Salmão, atum e sardinha

Por serem ricos em Ômega 3, esses peixes aumentam o metabolismo basal, melhoram o funcionamento celular, além de diminuir a retenção de líquidos. Em outras palavras, os alimentos com Ômega 3 na composição também integram a lista de alimentos que queimam calorias.

Café

A cafeína, substância ativa do café,  é capaz de mobilizar a gordura armazenada no corpo e levá-la para o sangue, transformando-a em fonte de energia. Como se não bastasse, o café aumenta a disposição física para os exercícios.

Vinagre de maçã

O vinagre de maçã melhora o desempenho do metabolismo e faz com que nosso organismo queime mais calorias. Ele é rico em pectina, que é uma fibra solúvel responsável por facilitar a digestão de proteínas e gorduras. Além disso, ele aumenta a saciedade, diminui o armazenamento de gordura e auxilia na regulação da absorção de açúcares.

E aí, você já sabia que esses alimentos promoviam a queima calórica? Eles já fazem parte da sua dieta cotidiana? Compartilhe suas opiniões e experiências com a gente através dos comentários. Até a próxima e continue de olho nas novidades do nosso blog!

Como preparar a comida da semana inteira em um dia

Em tempos de muita correria como os de hoje, a maioria das pessoas acaba optando por fazer as refeições na rua, justamente por não ter tempo de preparar a comida em casa. Esse hábito, porém, pode ser prejudicial à saúde, já que muitos restaurantes produzem as refeições com óleo em excesso, muito sal e temperos diversos.

Além de não ser saudável, comer apenas em restaurantes acaba sendo um gasto bem considerável para o bolso no final do mês. Uma alternativa a essa situação é preparar a comida da semana inteira em um dia apenas. Mas como fazer isso? Continue lendo o nosso artigo e descubra!

Faça uma lista de compras semanal

A primeira coisa para que você se organize para preparar a comida da semana inteira em um único dia é montar uma lista de compras. Ela vai te ajudar a saber exatamente o que você precisa comprar quando for ao supermercado e evitará que você chegue em casa e se lembre que acabou deixando para trás algo importante, como a carne ou a salada, por exemplo. O ideal é realizar as compras no fim de semana, para que no domingo a noite, por exemplo, você já possa deixar tudo preparado.

Prepare o básico

Alguns alimentos como o arroz e o feijão podem ser preparados e deixados prontos para todos os dias. Já a carne você pode optar por deixar separada e temperada para somente assar, fritar ou grelhar — como você preferir. Já se os seus dias são realmente muito corridos e você não tem tempo nem mesmo de grelhar a carne um dia antes, a solução é também deixá-la pronta, de forma que seja necessário apenas esquentá-la no micro-ondas.

Monte várias opções

É claro que você não vai querer comer a mesma combinação de segunda a sexta-feira, não é mesmo? A dica para se livrar disso é preparar mais de uma opção. Você pode deixar prontos dois tipos de carne, uma variedade de batatas e legumes cozidos ou algumas panquecas.

A salada, por exemplo, você pode deixar semipronta. Deixe as folhas de alface já lavadas e picadas, assim como outros legumes como tomate, cenoura, beterraba etc. Mas atenção: lembre-se de não temperar a salada com antecedência, caso contrário ela ficará com aspecto murcho e perderá grande parte dos nutrientes.

Tenha cuidado com o armazenamento

É muito importante que você se atente para a forma de armazenar as suas refeições, evitando que elas se percam antes do tempo. A comida deve permanecer por todos os dias na geladeira e, se possível, evite ficar abrindo e fechando os recipientes. Uma dica interessante é comprar um pacote de vasilhas de plástico e já separar a comida por dias em cada um deles. Assim, depois de fechado um recipiente com o seu almoço de terça-feira, por exemplo, você só precisará abri-lo no dia que for comer.

Viu só como preparar a comida da semana inteira em um dia apenas pode ser mais fácil do que você imaginava? Basta ter organização e força de vontade para se alimentar com refeições preparadas com carinho por você mesmo e o melhor: ainda conseguir economizar aquele dinheirinho ao final do mês, não é mesmo?

E você, já tem o hábito de preparar a sua refeição da semana inteira em um dia apenas? Que outras dicas você tem para compartilhar? Escreva para nós através dos comentários e continue de olho no nosso blog!

Siga o Clube da Pipoca no InstagramPowered by Rock Convert

Comentar